segunda-feira, 23 de março de 2009

Ritual
-Cazuza


Pra que sonhar
A vida é tão desconhecida e mágica
Que dorme às vezes do teu lado
Calada
Calada

Pra que buscar o paraíso
Se até o poeta fecha o livro
Sente o perfume de uma flor no lixo
E fuxica
Fuxica

Tantas histórias de
um grande amor perdido
Terras perdidas, precipícios
Faz sacrifícios,
imola mil virgens
Uma por uma,
milhares de dias

Ao mesmo Deus que ensina a prazo
Ao mais esperto e ao mais otário
Que o amor na prática é sempre ao contrário
...Que o amor na prática é sempre ao contrário

Ah, pra que chorar
A vida é bela e cruel, despida
Tão desprevenida e exata
Que um dia acaba

2 comentários:

  1. A vida é um eterno ímpar

    Luz e mais Luz

    >.<

    ResponderExcluir
  2. E eu não poderia ter encontrado melhor poesia...

    Beijos mil, Sica!!!

    ResponderExcluir